Apaixone-se pela Sauvignon Blanc

 

 

UVA SAUVIGNON BLANC

Um dos mais interessantes exemplos da influência do terroir é com a Sauvignon Blanc. Impressionante como ela muda de estilo em cada terroir onde é plantada.

Mesmo sendo a muitos apresentada na última década ela é uva antiga e tradicional da região central e sudoeste da França. Afinal ela é “mãe” da Cabernet Sauvignon tendo  o “pai” a Cabernet Franc. A Sauvignon Blanc hoje está no topo do consumo e área plantada das uvas brancas.

Uns dizem ser nativa de Bordeaux (sudoeste francês) outros dizem ser nativa do vale do Loire, região centro leste da França. Em cada uma destas regiões desempenha papel único com características ímpares.

Veremos.

Continuar lendo

Merlot A Suavidade em Pauta

merlot

A Merlot. Amada por uns (o editor deste blog), nem tanto por outros e desprezadas por alguns. 

Seu nome vem de Merle para nós, brasileiros, o Merlo. O pássaro negro a cor de sues cachos parecem suas asas.

Uma das mais antigas uvas da França. Filha da Cabernet Franc com a Magdeleine Noire des Charentes.

Assim como a Tannat, a Malbec, na França chamada de Negra de Lot e a Cabernet Sauvignon, são uvas típicas do sudoeste francês.

Entretanto, em Bordeaux a Merlot nos traz seu esplendor máximo. Mais precisamente na margem direita do estuário do Gironde onde compõe o famoso corte bordalês com as Cabernet, Franc e Sauvignon. 

Continuar lendo

A Primeira Vez No Vinho – Parte 03 – O Sensorial do Vinho

AROMAS SYRAH

O vinho é antes de tudo uma bebida sensorial. Creio que não há nenhuma que se iguale ao vinho. Ele evoca lembranças sensoriais das mais antigas. E cada um de nós tem a sua. Esta é uma das razões de que a frente de um vinho cada qual tem uma sensação diferente.

Entretanto, importante destacar que não há nenhuma regra fixa e imutável para compreender o vinho.

Nesta publicação vou apresentar as três análises clássicas do vinho. A Visual, a Olfativa e a Gustativa. 

Vamos entrar nesta viagem? 

Continuar lendo

Sete Dicas Para Harmonizar Vinhos

HARMONIZAÇÃO 2

Antes é importante destacar que não há nenhuma regra fixa e imutável para harmonizar vinhos e culinária. Bebe-se o vinho que der vontade com os pratos que dão prazer.

Entretanto, importante avisar sobre os casamentos perfeitos na harmonização.

Lembrando que os vinhos têm alguns elementos essenciais que já vimos ao longo das publicações. Acidez, açúcar, álcool e taninos estão entre eles.

Cada qual terá um importante papel neste enredo. Abaixo seguem algumas regras fundamentais que iremos falar constantemente.

HARMONIZE OS VINHOS COM OS MOLHOS NÃO COM AS CARNES 

Sempre pensamos nas carnes com os vinhos esquecendo o principal, os molhos. É um tal de vinho branco encorpado com aves, rose com porco, carne de gado com tintos. Mas é o fundamental, os molhos? Eles a tudo mudam. Imagem um frango com limão e pimenta. Combina com um Branco Frutado.

Porém, o mesmo frango ao estilo Coq au Vin, isto é, ao molho de vinho tinto, jamais combinaria com este branco. Iria pedir um Tinto Frutado. Aí vai a dica, então. Preste atenção nos molhos eles podem modificar o panorama rapidamente.

GORDURA PEDE TANINO

Seja a gordura de uma carne vermelha, seja a gordura de molhos encorpados e complexos. Taninos combinam na perfeição com as gorduras. Ovelha com molho, por exemplo, é a chance ideal para os Tintos Encorpados brilharem. Taninos firmes, carnes fortes.

SAL PEDE ACIDEZ

A melhor combinação com o sal é a acidez. Pensem em frutos do mar. Como o próprio nome fala tem origem em águas salgadas. Ostras, peixes, camarão, siri são pratos que carregam em sua essência o sal. Qual a melhor combinação? Os brancos com acidez mais evidente como os Brancos Leves ou mesmo os tintos frutados em casos de frutos do mar com molhos um pouco mais pesados.

PRATOS CONDIMENTADOS PEDEM BRANCOS AROMÁTICOS

Os pratos condimentados, apimentados e com temperos exóticos como a culinária oriental, especialmente, a thai, chinesa e japonesa pedem Brancos Aromáticos. Nada combina melhor com um Gewürtztraminer que um prato neste estilo.

PEIXES CARNUDOS PEDEM TINTO FRUTADO

Esqueçam a máxima. Peixe com vinho branco. 

Peixes como Garoupa, Salmão, Bacalhau, Mero, Haddock pedem um tinto frutado. Aqui nada da lenda, peixe é com vinho branco. As gorduras destes peixes exigem taninos leves. Qual o estilo de vinho que tem taninos leves? Os Tintos Frutados.

HARMONIZE POR SEMELHANÇA OU CONTRASTE 

Nas harmonizações procuramos sempre evitar os conflitos. Nada de sobreposição ou luta entre forças. Nada de vinhos em conflito com os pratos. Pense sempre na semelhança ou no contraste. Exemplo típico. Vinhos doces com sobremesas doces ou vinhos doces com queijos salgados.

Aqui temos os dois exemplos. Porém cuide com as semelhanças para que não haja sobreposição. Por exemplo. Vinhos doces com sobremesa muito mais doce. Delicado com delicado. Pesado com pesado. Peixes leves e delicados como linguado pedem brancos leves e delicados, como os Refrescantes. Pratos de ovelha com molhos pesados pedem Tintos Encorpados.

PENSE EM VINHOS VERSÁTEIS

Muitas uvas, mesmo famosas não são versáteis. Um exemplo é a Cabernet Sauvignon. A tinta mais consumida no mundo, porém, seus vinhos com tinto encorpado, fortes taninos e toques herbáceos não o fazem um vinho versátil. Para ser versátil precisamos ter menos taninos, mais acidez, menos volume de boca. Pensem na Carménère, na Merlot ou na Sangiovese, entre outros. Pensem nos vinhos Estilo Tinto Sedoso.  

O mesmo ocorre com os brancos. Nada da Chardonnay, a mais consumida no mundo. Esta uva não tem a acidez necessária e constante para ser versátil. Somente o Chablis é assim.

Pensem na Sauvignon Blanc e na Riesling. São brancos mais leves, menos impositivos e levemente ácidos. O melhor estilo seriam os Brancos Frutados.

Na harmonização nada de amores impossíveis. Mas, sim, combinações inesquecíveis como Omara e Ibrahim. 

A Primeira Vez No Vinho (Parte 02) Vocabulário Essencial

italia-toscana-vale-dorcia

Em sequência a série Primeira Vez no Vinho agora vou abordar o Vocabulário Essencial. Aqui, necessariamente, temos que abordar três palavras básicas e que aparecerão eternamente quando falarmos de vinho. O Terroir, os Taninos e as Barricas de Madeira. São palavras cujo sentido devem ser incorporados ao dia-a-dia dos amantes do vinho.

O TERROIR – O SENHOR DA VINHA

Por terroir podemos entender: Clima + Solo + Topografia + Intervenção Humana. O conjunto será o Terroir. Entretanto, terroir no francês antigo quer dizer terra e tinha conotação diminutiva do vinho,  ao contrário de hoje. Surgiu na Borgonha, França quando da determinação dos Gran Cru, Cru e Village. Regiões demarcadas para cada qualidade de vinho. Estas demarcações as vezes excluem quem está logo ao lado. Eles não poderiam ostentar tal ou qual qualificação nos seus rótulos. Ora, quem ficou de fora não estava no terroir demarcado, porém, estava no grande terroir da Borgonha. Na grande terra da Borgonha, assim começou a expressão terroir. Vinhos da terra da Borgonha.

Hoje terroir como estes da foto, no caso Vale D’Orcia, Toscana, Itália, vão muito além desta história ou mesmo de jogadas de marketing. O terroir, realmente, define a qualidade do vinho. Ele determina quais uvas e estilos de vinhos se adaptam melhor a este ou aquele local. Assim nasceram terroir consagrados no mundo como Colchagua, Chile, Douro, Portugal, entre outros.  

Mas como ele realmente influencia? Ele nos trará uvas equilibradas. Uvas equilibradas precisam de menos intervenção química na hora da elaboração nos trazendo vinhos melhores.

DESCUBRA QUEM É O SENHOR DA VINHA

TANINOS

Taninos são alcalóides presentes nas cascas, sementes e partes verdes da uva. De sabor amargo nos trazem a sensação de banana verde na boca. Servem para proteção do fruto para que não sejam consumidos pelos animais antes de maduros. No vinho muito mais presente nos tintos que nos roses e brancos. O contato das cascas com o mosto levará ao vinho o tanino. Solúvel em água ao exemplo do chá preto é amargo. Junto com a fruta e a acidez faz o tríplice equilíbrio dos tintos. Acidez, fruta e taninos. Responsável, também, pela longevidade aos tintos. 

TANINOS – SUA IMPORTÂNCIA 

OS TANINOS E A HARMONIZAÇÃO DOS VINHOS 

AS BARRICAS

Por fim as barricas. Matéria altamente importante no conhecimento dos vinhos. As barricas, nem sempre essenciais, servem entre outros motivos para domar os taninos e, digamos, temperar os vinhos. Em geral são de carvalho americano ou francês. 

Tem, na verdade 5 funções básicas:  Arredondar os taninos do vinho. Fornecer taninos. Estabilizar a cor dos vinhos. Fornecer aromas. Efetuar a micro oxigenação.

A leitura do destaque abaixo é essencial.

A BARRICA O TEMPERO DO VINHO 

Depois da história do vinho. Suas principais uvas e método de elaboração. Vimos neste capítulo o vocabulário essencial. Na próxima publicação a apresentação do vinho com as análises sensoriais: Visual, Olfativa e Gustativa. 

A Primeira Vez No Vinho

amigos-no-vinho

O vinho. Bebida mágica que a nós todos encanta há muitos séculos e séculos. O vinho, ao contrário de muitos blogs e publicações que vejo por aí tratando o vinho como uma bebida do não. Estilo: Não cometa estes erros. Evite os erros de principiante e por aí vai. Muito pelo contrário, o vinho é uma bebida do sim.

Sim a vida. Sim a (con)vivência entre as pessoas. Sim a confraternização. Sim a cultura dos povos. Filmes rodados em países vinhateiros como Portugal, Espanha, Itália e França é comum nas reuniões em volta da mesa sempre aparecem garrafas e cálices de vinho.

Simpósio tem origem na palavra grega symposión que era uma reunião ou festa onde se bebiam os vinhos, sympoten é sinonimo de beber junto, geralmente depois dos banquetes onde os amigos discutiam filosofia e outros assuntos.

Aqui gostaria de elaborar um guia aos amigos do vinho. Um guia para que se possa navegar neste mundo com mais segurança. Podemos chamar este guia de A Primeira Vez No Vinho

Continuar lendo

Conheça os Segredos da Pinot Noir

PINOT NOIR

Logo mais começa a primavera no hemisfério sul logo mais teremos dias mais longos e dias mais quentes. Ideais para apreciar um bom vinho com esta uva.

Vinhos são como roupas para mim. Vou trocando de Estilo de acordo com o clima.

Sabe aquele vinho tinto que não “gruda” na boca? Aquele vinho tinto agradável, delicioso, aromático e que passa longe dos potentes vinhos chilenos e argentinos?

Sabe aquela vontade de apreciar um tinto sem necessidade de pensarmos em acompanhamentos elaborados e complicados? Sabe aquele tinto que pode ser levemente gelado e servido nos dias mais quentes?

A Pinot Noir é tudo isto e mais um pouco. Uva querida e manhosa. A Pinot Noir é  nativa da Borgonha, França e hoje leva seu charme pelos quatro cantos do mundo.

Continuar lendo