Viognier. Uma Joia Rara. Veja Aqui Onde Encontrar

viognier 2

Nativa do Rhône suas características são singulares, amanteigada, untuosa, floral e perfumada, para mim, no quesito aroma, só tem duas sérias concorrentes, as alsacianas  Gewürztraminer e a Pinot Gris.

Esta untuosidade deve-se aos bons índices de álcool e a baixa acidez. Plantados em poucos hectares torna-se um vinho caro, até mesmo para os padrões locais. Aromas de pêssego, tangerina e o famoso toque floral. Podemos classificar seus vinhos em Brancos Frutados e Brancos Aromáticos

Seu berço é Côtie Rotie, no Rhone Norte. Ali nas encostas do rio Rhône em solos graníticos com invernos moderados a fortes e verões quentes com boa regularidade de chuva as vinhas são plantadas em patamares de costas para o norte a fim de proteger os vinhedos dos fortes ventos gelados.

FRANÇA COTIE ROTIE 1

Vinhedos extremos, vejam a foto. 

Para os que não a conhecem em comparação com a Chardonnay, a Viognier tem mais “peso” na boca, em razão de sua característica untuosidade, menos acidez e muito mais aromas. Uma “prima” sua em termos de aromas e paladar é a Torrontés de Salta, Argentina. 

Por último o Château Grillet que é região demarcada dentro da região demarcada de Condrieu. Dali, em apenas 3,5 hectares sai o melhor Viognier que este planeta pode produzir. Rico, charmoso, untuoso e com a especial característica de ser seco e levemente adocicado ao mesmo tempo. Aromas que lembrar pêssego maduro e damasco.

Sua baixa acidez e seus aromas marcantes e imponentes combinam na perfeição com os pratos condimentados. Típicos da alta gastronomia de Lyon, como dito bem pertinho dali. Ou mesmo a culinária oriental como a Thai.

ONDE ENCONTRAR A VIOGNIER FORA DO RHÔNE?

Seu terroir predileto é o de regiões com climas moderados, mesmo no verão, com bons índices de insolação tudo para que tenhamos índices razoáveis de acidez natural. Sendo assim podemos destacar de plano.

ÁFRICA DO SULProcure os produtores de Stellenbosch. Os frios ventos que varrem o vale mantêm as condições ideais para a Viognier.

NOVA ZELÂNDIA: Como sempre falou e brancos e Pinor Noir de elite mundial, falou da Nova Zelândia. Aqui, procure os produtores do sul da ilha norte ou aqueles localizados na ilha sul. Compre sem medo e receio.

ESTADOS UNIDOS: O frio Oregon é garantia, assim como Nova Zelândia, de brancos e Pinor Noir de alta gama. Compre sem medo um Viognier daqui.

CHILE: Vale de Casablanca há poucos quilômetros ao noroeste de Santiago é referência mundial para vinhos cujas uvas adoram climas amenos com boa insolação no verão, como a Viognier.

Tanto Casablanca como a nova fronteira chilena, a Costa Fria, ou Cool Coast localizada entre o Pacífico e a Cordilheira Costeira. Ali onde desemboca a corrente de Humboldt, a mais fria das correntes marinhas e responsável pela riqueza de frutos do mar do Chile e Peru. Hoje vinhos de alta qualidade vêm dali. Prestem atenção em regiões como Paredones no Vale do Rapel bem perto de Apalta.

ARGENTINA: Os locais mais altos do famoso Cordón de Plata como os patamares de Luján de Cuyo onde há condições para excelentes Viognier.

Vimos, então, que trata-se de uma uva muito diferente. Brancos untuosos e aromáticos com acidez moderada. Não a encontraremos em qualquer local. Esta é uma das uvas que viajam mal, muito mal.

HARMONIZAÇÃO

Certamente a culinária Thai e Indiana com seus condimentos mais do que especiais e únicos terá como companhia ideal os vinhos elaborados com a Viognier. Sua média acidez, seus poderosos aromas combinarão muito bem com estes pratos exóticos.

HARMONIZAÇÃO COM CULINÁRIA THAI

Um bom Viognier combina com a voz aveludada de Billie Holliday. 

Anúncios

Chenin Blanc. Quem é e Onde Estão Seus Melhores Vinhos?

UVA CHENIN BLANC

Que dizer da Chenin Blanc? Versátil, maravilhosa e única. Nascida no Loire Central, França e perfeitamente adaptada na África do Sul.

Junto com a Chardonnay são as brancas mais versáteis. Encontramos esta uva, desde os espumantes, como o Vouvray no Loire até os vinhos Late Harvest onde ela nos concede uma aroma de marmelo inconfundível.

Perambula, ainda, na Argentina, Chile e Oceania. Mas no seu berço e na adotiva África do Sul explode em esplendor.

Continuar lendo

Carménère – Saiba onde estão os melhores terroir do Chile

UVA CARMENÈRE

O nome vem da palavra Carmin (a cor avermelhada) que ficam suas folhas quando do outono. Esta uva nasceu em Bordeaux, França, por lá nunca alcançou os resultados que tem no Chile, seu berço adotivo.

Com a praga da filoxera, leia aqui, foi erradicada do sudoeste francês. Entretanto, veio na mala de algum missionário ou imigrante e aportou no Chile.

Em sua terra natal deve estar extinta. Encontrou no vale do Colchagua as condições ideais para se desenvolver. Muito tempo confundida e tratada como uma  Merlot hoje vive dias de gloria.

Continuar lendo

Furmint a Uva Mestra do Tokaji

UVA FURMINT 1

Tenho na pauta dois assuntos interessantes. O mundo das borbulhas e os esquecidos dessert wines/vinhos de sobremesa ou vinhos doces. Esquecidos porque estão sempre quase abandonados nas lojas especializadas como se fossem vinhos menores ou terem sido elaborados para serem desprezados.

Na verdade é a verdadeira herança de Ganímedes. O mais lindo camponês arrebatado por Zeus em razão de sua beleza subiu ao monte Olimpo para servir aos Deuses as bebidas especiais, entre elas, certamente, os vinhos de sobremesa. 

Antes do perfeito controle das leveduras e, principalmente, dos sistemas de vedação com micro oxigenação eram os únicos vinhos que aguentavam a idade avançada e as acidentadas viagens. Isto desde a Roma antiga até a o final do século 18.

Um destes vinhos especialíssimos é o Tokaji elaborado no nordeste da Hungria, na região de Tokaj, assim Tokaj é lugar e Tokaji é o vinho do lugar.

Continuar lendo

O Trio de Ouro das Uvas Brancas do Douro

PORTUGAL DOURO 1

Eis o fantástico Douro. O rio que começa na vizinha Espanha lá banha duas importantes áreas vitícolas, Ribera del Duero e Toro. Ao chegar em Portugal desce por vales encantados até desaguar no Atlântico entre Gaia e Porto.

Velho conhecido dos Romanos que por ali iniciaram sua presença de 500 anos na península ibérica. E com eles as primeiras vinhas. O Azeite e as Amêndoas foram trazidas pelos Mouros. 

Entretanto, foram os ingleses que tornaram os vinhos do Douro mundialmente conhecidos. Os vinhos viajavam mal do Douro à Inglaterra. Muitos chegavam lá estragados.

Qual a solução?

Continuar lendo

As 6 Uvas Tintas Essenciais aos Vinhos do Douro

portugal-douro-2

Hoje vamos conversar no Boteco do Vinho sobre o Douro. Patrimônio da Humanidade e uma das primeiras regiões Demarcadas de Origem Controlada do mundo.

Entretanto, quero fugir um pouco do óbvio que é falar dos seus vinhos licorosos e das principais sub-regiões.

Antes de falar dos estilos possíveis, Fortificados (licorosos), hoje, até rose para se bebericar com gelo ao sol, passando pelos chamados vinhos tranquilos, interessante é saber quais as uvas que estão por trás destas obras de arte.

Vamos a elas?

Continuar lendo

A Garnacha em Terras Francesas

uva-grenache-blanc

Impossível falar da saga da Garnacha que nasceu em Aragão, no nordeste espanhol, de onde os cristãos iniciaram a retomada da península ibérica expulsando os mouros, em terras francesas sem falar da maior região produtora Languedoc-Roussilion. 

Impossível não falar da sua essencial contribuição àquele que é, para mim, o mais representativo vinho do sul da França, os ímpares roses.

Impossível não falar dos sublimes vinhos brancos elaborados com a Grenache Blanc da foto acima. 

Continuar lendo