Lujan de Cuyo – Mendonza – O famoso Cordón de Plata


ARGENTINA LUJAN DE CUYO CORDÓN DE PLATA

Nos arredores de Mendoza, capital do Distrito, concentram-se várias sub-regiões importantes para quem quer saber um pouco mais sobre os vinhos argentinos. Locais que hoje estão em destaque nos rótulos de vinhos e merecem nossa total atenção. Porém, é uma região muito extensa e variada confundindo aqueles que não estão muito familiarizados.

Uma das mais importante sub-regiões é Lujan de Cuyo, primeira Denominação de Origem da América para a Malbec. A paisagem desta região é belíssima, poucos lugares neste planeta são tão singulares e bonitos. Cuyo está situada ao pé dos Andes, num clima seco que proporciona uma paisagem quase lunar.

Aqui temos todos os elementos que formam o conceito de um excepcional terroir.

Com solos paupérrimos em matéria orgânica, ideais para o desenvolvimento da videira. Clima desértico, pouquíssima chuva, principalmente nos meses finais de maturação. Geografia variada.

CORDÓN DE PLATA

Vejam na foto o Cordón de Plata, um anfiteatro com mais de 70 quilômetros de extensão onde os vinhedos ficam como em terraços de 600 até mais de 1.000 metros subindo os Andes até chegarmos nos vinhos de altura cujos terrenos mais altos são disputados. A altura em climas secos, como é o caso de Mendoza, nos traz uma diferença muito grande de temperatura entre o dia e a noite. Ideal para o lento amadurecer do fruto. Ganha-se, cor, aromas, taninos e uma uva equilibrada.

Por aqui a imponente Cordilheira dos Andes ao fundo é presença marcante.

Por fim, o trabalho do homem, não só na atual condução das videiras e estudo de qual a melhor uva para os diferentes microclimas, mas, historicamente, a luta pela água em local tão seco. Desde os Incas que criaram canais para o aproveitamento do desgelo da cordilheira. E assim tem sido utilizado até hoje.

Toda a região é governada pelos Andes, desde o clima, com o vento Zonda, semelhante ao Mistral na Provence, é um vento que desce dos Andes e eleva rapidamente a temperatura em mais de 30 graus com força suficiente para causar muita destruição aos granizos e as tormentas de verão, passando pela luminosidade e a irrigação feita através de canais de superfície ainda do tempo dos Incas que aproveitam o degelo e pelos rios subterrâneos. Para chegar a Cuyo, passamos por pequenos desertos.

Quando se imagina que nada vai aparecer começam a surgir os vinhedos, literalmente, cravados na terra árida. Como este em Agrelo, sub-região de Cuyo e terra de grandes vinhos com a Syrah.

ARGENTINA LUJAN DE CUYO AGRELO

E tem que ser assim, se houver muita matéria orgânica no solo a videira não desenvolve seu potencial.

Os microclimas mais frios albergam as uvas brancas Chardonnay, Sauvignon Blanc e Viognier, esta com excelentes resultados em Lujan de Cuyo e a tinta Pinot Noir. Por isto terra de belos espumantes argentinos.

Nesta área existe a maior concentração de produtores de vinhos finos na Argentina. Entre eles Bodega Cassone e sua Obra Prima, Alta Vista, Catena Zapata, Pulenta Estate e Terrazas De Los Andes, cujo nome é homenagem, justamente, aos famosos terraços de vinhedos do Cordón de Plata.

Lujan de Cuyo e seus vinhos são tão envolventes quanto Piazolla.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s