Sabe o que é um Vinho de Corte?


CHATEAUNEUF DU PAPE

Vinho de corte é aquele onde duas ou mais uvas distintas compõem o vinho. Ao contrário dos varietais onde uma só uva participa.

Este vinho da foto é um clássico vinho de corte do sul da França. Aqui 50% Grenache e mais 8, 10 ou mais uvas garantem a composição final.

Os vinhos de corte são muito comum em tradicionais países vinhateiros europeus, contudo, não são uma unanimidade. Os vinhos da Borgonha, uma tradicional região francesa só tem varietais: Chardonnay, Pinot Noir, Gamay e uma ínfima parcela da branca Aligoté. Já os chamados países de novo mundo como EUA, Chile, Argentina, África do Sul (que tem vinhedos há mais de 500 anos), entre outros focam mais nos varietais.

Por fim, qual o melhor vinho? O varietal ou o com várias uvas?

Para mim o melhor vinho é o mais equilibrado. Aquele que nos brancos e roses há o perfeito equilíbrio entre acidez e açúcar (leia-se frutado) já nos tintos o clássico equilíbrio entre fruta, taninos e acidez. Não importa se o resultado é de uma só uva ou de uma composição.

Mas como se consegue um vinho harmonioso?

Sempre que o enólogo respeita o terroiro Senhor da Vinha, ele terá uma uva equilibrada. Uvas equilibradas, isto é, com condições ideias de açúcar, acidez e madureza, desde a semente até a casca, são uvas que não precisam de química corretiva na vinícola. Facilita o trabalho do enólogo, desde que ele não queira o que a terra não pode oferecer. 

Assim temos exemplos claros de vinho varietais onde tal ou qual uva reina em absoluta. Como Colchagua, Chile.

CHILE COLCHAGUA 4

Neste vale abençoado protegido por duas cordilheiras. A majestosa Cordilheira dos Andes e a protetora Cordilheira da Costa, com clima estável safra a safra, poucas surpresas naturais, seus melhores espaços já foram delineados para esta ou aquela uva. Desta maneira os varietais predominam com enorme qualidade o que não impede de haver com honra belos vinhos de corte.

Já o Douro, por exemplo.

PORTUGAL DOURO 1

No norte de Portugal banhado pelo, então rio Duero que nos oferece Toro e Ribera del Duero, na Espanha vem aqui terminar sua trajetória. Nestas encostas esculpidas pela mão do homem temos vinhos fortificados, os tradicionais Porto e os vinhos tranquilos. Entretanto, de uma maneira geral, seis uvas fazem parte do corte destes dois estilos de vinhos tintos, só para exemplificar, Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinto Cão, Tinta Roriz, Tinta Barroca e Tinta Amarela, portanto, um corte ou blend de uva.

Só para que alguns não pensem que o chamado velho mundo não possui obrigatoriedade em vinhos varietais, a já lembrada Borgonha, França.

borgonha geada

Que mesmo lutando contra um clima altamente instável com a luta incessante contra as geadas, vejam a foto, por lei e tradição somente as brancas Chardonnay e Aligoté e as tintas Pinot Noir e Gamay podem ser vinificadas e elaboradas em forma de varietais.

Assim quem manda na qualidade de um vinho é o respeito do enólogo ao terroir e não a este vinho ser de corte ou varietal.  Para exemplificar o blend quem sabe Peterson e seus amigos. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s