Dicas Para Conhecer a Alvarinho


UVA ALBARIÑO

Dizem que esta casta é originária da Riesling trazida por algum peregrino que perfazia o caminho de Santiago de Compostela e a trouxe da Alemanha.

De fato possui características muito parecidas com a Riesling, dependendo do terroir, varia do cítrico com cor amarelo palha até o amarelo dourado aromática e encorpada.

O certo é que a  Alvarinho é nativa da região dividida pelo rio Minho, que na verdade é linha de fronteira com a Galícia, Espanha onde recebe o nome de Albariño.

Muitos perguntam se tem diferença para a Alvarinho plantada em Portugal. Tem sim, não só na grafia como no vinho. Os diferentes terroir da Espanha (Galícia) e do Minho (Portugal) nos trazem vinhos díspares, inclusive há degustações comparativas entre os dois países para escolher a melhor Alvarinho/Albariño.

Excelente vinho para ser apreciado no verão de certo modo com baixo teor de álcool e muito refrescantes devido à acidez. Parceiros de pratos a base de frutos do mar e combinam perfeitamente com culinária da região.

Lembrando que é uma das uvas do trio de ouro dos vinhos verdes com a Loureiro e a Trajadura. Seguidamente em corte com elas ou em varietal ou mono casta. Seu amadurecimento com excelentes níveis de acidez a tornam ideal para a elaboração de espumantes.

A mesma acidez que nos traz condições para o envelhecimento com saúde de seus vinhos. Há exemplares com mais de 8 anos em plena forma.

ONDE ESTÃO OS MELHORES VINHOS?

ESPANHA – GALÍCIA 

ESPANHA GALICIA MAPA 1

A Galícia no extremo noroeste do País. Com situações geoclimáticas únicas e especiais em terras espanholas, indo das montanhas a leste com umidade reduzida e muito sol no verão, passando por planícies e nascentes de rios importantes como o Minho até o contato direto com o Atlântico a oeste cheio de enseadas. 

A grande uva que comanda as ações é a Albariño, nativa da Galícia.

Seus vinhos vão do Estilo Branco Refrescante, leia aqui até os Frutados, leia aqui. Quanto mais ao litoral for o vinhedo mais leve será a Albariño.

Com o renascimento da Galícia surgem outras uvas nativas com grande destaque como a Torrontés, a Godello (Gouveio, Verdelho em Portugal) e a Mencía (Jaen em Portugal).

PORTUGAL – MINHO

PORTUGAL VINHOS VERDES VIDEIRA

No extremo norte do país está a região do Minho e dos Vinhos Verdes.  O Vinho Verde é único no mundo. Um vinho naturalmente leve e fresco, produzido na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, no noroeste de Portugal, uma região costeira geograficamente bem localizada para a produção de excelentes vinhos brancos. Berço da carismática casta Alvarinho e produtora de vinhos de lote únicos

O clima constantemente úmido mesmo no auge do verão associados aos ventos do Atlântico nos trazem como característica um baixo teor alcoólico, algo em torno de 8 a 10 GL, acidez marcante, alguns com a “agulha” devida à acidez, e por vezes o aparecimento de CO2.

Um dos traços mais típicos da paisagem do noroeste de Portugal consiste nas ramadas que cobrem os caminhos e nas videiras entrelaçadas com árvores nas bordas dos campos. Grande parte da produção de vinhos provém ainda dessas videiras e o seu carácter está tão ligado às condições naturais da região como a essas formas de instalação de vinha.

Ali a Alvarinho cresce e nos traz vinhos muito especiais. Além de ser uma das principais, senão a principal uva dos Vinhos Verdes. 

Prestem atenção para algumas sub-regiões especiais para esta casta no Minho. Muitos vinhos a destacam no rótulo. MONÇÃO e MELGAÇO. Especialidade, Alvarinho.

 

 

 

 

 

 

 

Veremos com mais calma adiante.

 

Outro destaque a ser mencionado é a aproximação da Galícia com Portugal. Indo deste as semelhanças linguísticas até culturais passando pela enogastronomia.  Várias uvas típicas dos dois países apenas trocam a nomenclatura.

 

A Galícia é formada pelas províncias de Coruña, Lugo, Orense e Pontevedra. Mas, sobretudo é constituída por uma composição rara de raças e povos. Desde os primeiros tempos chegaram, por mar os Fenícios, os Bretões e os Normandos. Por terra vindos do centro da Europa os Suevos, Romanos, Árabes e Franceses. Com o tempo este amálgama de raças formou a cultura maravilhosa da Galícia.

 

A história dos vinhos da Galícia não foge ao padrão. Os Fenícios trouxeram as primeiras vinhas. Os Romanos aprimoraram os vinhedos com técnicas avançadíssimas para a época, além de construírem pontes aquedutos e estradas que até hoje estão visíveis. Os Mouros trancaram o desenvolvimento das vinhas com a proibição vinda do Alcorão. Depois os monges Cistercienses reiniciaram o desenvolvimento para chegarmos aos vinhos que temos hoje.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s