Encontre o seu vinho com a Sangiovese


ITÁLIA TOSCANA VALE D'ORCIA

Estes vinhedos de Sangiovese ficam ao sul da Toscana, mais precisamente no Val d’Orcia lindos como sempre.  

Toscana terra mãe dos Etruscos que ali viviam entre o que é o Lazio, Ubria, Ligúria e Vêneto. Ao fim da Idade Média foi o centro do mundo com Florença, sua capital, iniciando o Renascimento do homem como indivíduo, como centro das artes e da vida.

As videiras da Toscana giram em torno de uma uva muito temperamental, a Sangiovese. Nascida na região central da Itália, pouco viajou e adaptou-se a terras longínquas. Há uvas que não viajam bem. É uva muito exigente em relação ao terroir. 

Já apreciei vinhos com esta casta que me levaram ao céu, entretanto, outros em direção oposta. Faz parte da alma, da essência da Sangiovese os taninos rústicos, firmes e, inapelavelmente, imponentes a cada gole.

Em muitos casos levemente frutada com nariz de frutos secos, ameixas e cereja, o Chianti é um exemplo. Ou dependendo do terroir pode apresentar um vinho Estilo Sedoso, pleno de prazer, como o Tignanello. Outros, mais raros, apresentam-se como Tintos Encorpados de Guarda, caso dos Brunelo de Montalcino.

Mas porquê ela é temperamental?

Porque exigente com o terroir mais do que específico. Solos adequados, altura média de 250 a 350 metros, nem sempre encontráveis nas planícies toscanas, insolação correta, certamente, o Montalcino é o ideal. De um modo geral a Sangiovese entra em corte com outras uvas, como no caso do Chianti ou mesmo dos Super Toscanos, como veremos adiante.

Apresentada a rainha temperamental vamos as regiões eno turísticas nas quais ela está umbilicalmente envolvida.

FLORENÇA E SIENA

florença

Apresentada a Sangiovese vamos as regiões eno turísticas nas quais ela está umbilicalmente envolvida. Melhor dizendo. Entre Florença e Siena. Está a região do Chianti.

O vinho um corte aprimorado como o conhecemos hoje, na década de 60, pelo Sr. Ricasoli. Sangiovese (75%), Canaiolo (15%) e a branca Malvasia (15%). Claro que o Chianti sofreu altos e baixos desde os anos de 1.400 quando temos os primeiros registros até hoje.

Leia AQUI mais sobre este vinho.

VALE D’ORCIA

Outra imposição para quem quer conhecer melhor a Sangiovese e a Tocana vinhateira é Vale D’Orcia, ao sul de Siena. Desde a beleza da região  até os vinhos elaborados com uvas nativas como Foglia Tonda e, claro, a Sangiovese.

Este movimento de buscar uvas que já estavam esquecidas é muito importante para o desenvolvimento da cultura do vinho. Há várias regiões produtoras com projetos semelhantes. Aqui mesmo no Brasil na Serra Gaúcha, uvas como a Marzemino, a Refosco, a Lagrein que vieram com imigrantes estão sendo repensadas e replantadas. Montalcino está nesta região.

Os vinhos do Val D’Orcia são típicos Sangiovese. Na boca a rusticidade mencionada, aspereza e taninos no ponto certo. Exatamente o que me seduz nesta uva. 

O Val D’Orcia fica ao sul de Siena, logo que terminam as áreas determinadas dos Chianti e vai até a fronteira com a Umbria. Fica entre Montalcino e Montepulciano. É ponto turístico de caminhadas, passeios de bicicleta, pequenas cidades que abrangem o que a hotelaria campestre tem de bom na Toscana. E, também, terra de ótimos vinhos por preços bem mais acessíveis.

MONTALCINO

Cidade medieval onde a Sangiovese brilha como nunca. O Brunello é feito 100% de Sangiovese, algo raro na Toscana. A família Biondi-Santi vem a quase um século produzindo e melhorando este que é considerado um dos melhores vinhos do mundo. 

E assim o é porque a Sangiovese, através de seu clone a Sangiovesse Grosso fica com casca mais escura daí ser chamada de Brunno (escuro) e  encontra em Montalcino as condições ideais para seu desenvolvimento. Incidência solar, clima, solo e altura perfeitas para o se pleno desenvolvimento, nos trazem um vinho caro, as vezes caríssimo, mas único.

O clima fresco e seco da região de Montalcino faz com que  a Sangiovese seja colhida mais tarde mantendo e aumentando as qualidades aromáticas e de sabores. Já disse outras vezes que a lenta maturação final dá ao vinho maiores condições aromáticas e de estrutura. Aqui a dica são os Biondi-Santi, não tem erro. Há outros tão bons quanto? Há, claro. Mas para nós brasileiros não podemos errar na primeira compra de um Brunello, assim indico sempre Biondi-Santi.

BOLGHERI E MAREMMA

Já no litoral da Toscana, as margens do Mar da Ligúria, antigas colônias de pescadores, foram transformadas em locais turísticos únicos, beleza de mar, culinária de exceção e, vinhos, outrora sofríveis, hoje, no topo da elite mundial. Graças aos vinhedos de Merlot, Syrah, Cabernet Sauvignon, sim, meu amigo, castas francesi em plena Itália.

E para fugir das rígidas regras aplicadas à região da Toscana, mais precisamente ao seu vinho mais famoso, o Chianti, visionários, iniciaram o plantio das uvas bordalesas, diga-se que o primeiro caso que se tem notícia foi a introdução de uvas francesas foi o Tignanelo da família Antinori nos arredores de Florença.

TIGNANELLO

No início esta ideia era vista com total desconfiança. Primeiro porque eram castas estrangeiras, depois porque plantadas numa região muito perto do mar e, por fim, para produzir vinhos que não eram a vocação da Toscana.

Entretanto, foi no litoral toscano Maremma e Bolgheri que a ideia do corte da Sangiovese com castas francesas ganhou notoriedade mundial. 

Onde havia poucas décadas atrás várias colônia de pescadores, pequenas vilas medivais, Bolgheri é uma delas e alguns vinhos elaborados com a temperamental Sangiovese. 

Bolgheri, Maremma, IGT, Super Toscano, hoje são palavras e nomes mais familiares, mas há uma década, não eram. A revolução foi tal que passaram de vilas, simples e esquecidas para a elite mundial de vinhos. Graças aos vinhedos de Merlot, Syrah e Cabernet Sauvignon.

ITÁLIA BOLGHERI

Bem no litoral virado para o Mar Tirreno, quase divisa com o Mar da Ligúria. Bolgheri é uma das muitas vilas medievais da Toscana.

Passado o tempo e hoje temos alguns dos ícones mundiais do vinho. Nomes como Sassicaia, da Tenuta (Fazenda) San Guido, Tignanello e Ornelaia, hoje são vinhos reconhecidos mundialmente.

O que dizer destes vinhos? Alguns são caríssimos outros nem tanto, mas todos são excelentes.  Posso dizer que até hoje não encontrei um vinho desta região que não fosse cuidadosamente elaborado.São vinhos elegantes, sedutores e mágicos. Eu não me apaixonei na primeira vista. Mas aos poucos foram me seduzindo aos poucos a tal ponto que não posso mais ficar sem eles.

Hoje, felizmente, há vinhos desta região que são vendidos a preços mais acessíveis. Eu gosto muito do Mediterra (Poggio al Tesoro) ou algo como poço do tesouro.

Estes os vinhos e regiões com a Sangiovese que eu recomendo fortemente. Há vinhos para todos os preços.

Música? The Bird resolve. Sax inquieto, rascante, emocionante e único. Tal qual a Sangiovese.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s