Terroir de Clima Quente ou Frio influenciam na uva? Mito ou Verdade?


FRANÇA LANGUEDOC NARBONNE

Estes vinhedos estão em Narbonne, Languedoc-Roussilion a França mediterrânea, antiga capital da Província (com origem no Latim pro (à frent) + vincia (vencer). Narbonnaise ia da fronteira da Espanha até a Provence. Mas o que nos interessa é o terroir e localização deste vinhedo.

Vinhas antigas notem que sem amarração ou condução. Cada pé produzindo em média uma garrafa de vinho. Clima quente nos dias de verão. Sol, muito sol e com noites levemente frescas. Podemos classificar como terroir de clima quente.

Lembrando que o terroir que podemos classificar como clima+solo+tpografia+intervenção humana é o senhor da vinha.

Já este vinhedo na Borgonha, mais precisamente em Chablis.

chablis 4

Podemos dizer que é terroir de climas amenos. E como eles influenciam na uva a ser vinificada? De que maneira eles se mostram presentes nos vinhos?

É mito ou verdade?

É verdade. A influencia de dias mais quentes ou mais amenos nos últimos meses de maturação são decisivos no Estilo de Vinho a ser a nós apresentado. 

A uva é um vegetal. Assim como as folhagens de nossa casa podem morrer se trocarmos de parede no mesmo ambiente, a uva é fortemente influenciável pelas situações que a rodeiam.

O clima mais ameno ou mais quente é um deles e para algumas uvas é fator determinante de mudança no Estilo de Vinho e para outras é fatal, jamais se adaptariam. Outras ainda foram migrando de um para outro clima e tornando-se as estrelas que são hoje. 

Mas, especificamente, qual a forte influencia do clima na característica de uma uva?

Climas mais quentes nos últimos dias de maturação tendem a acentuar os açúcares da fruta, diminuir, por consequência a sua acidez e amadurecer os taninos, no caso dos vinhos tintos, retirando deles sua força e capacidade de guarda.

Lembrem do que falamos ao definirmos um Tinto FrutadoO clássico tríplice equilíbrio fruta, acidez e taninos em tintos de climas quentes nos trazem vinhos mais alcoólicos por conta do maior percentual de açúcar, menos acidez e taninos mais maduros.

Exemplos típicos são os vinhos da borda do mediterrâneo, como este de Narbonne que utilizam uvas tintas de amadurecimento tardio que precisam de muito sol como a Grenache (Garnacha) que nativa do nordeste da Espanha em Aragão desceu e deu-se muito bem no Mediterrâneo, sendo, inclusive a uva chave de um ícone, o Chateauneuf-du-Pape. Outra uva que não sobreviveria em outras regiões é a Cinsault sem sol não temos Cinsault.

Mas vamos exemplificar com vinhos mais corriqueiros e encontráveis nas prateleiras de lojas especializadas e supermercado. Vamos de Merlot. Uma uva nativa de Bordeaux, França. Onde na margem direita do Gironde encontrou clima ameno, solos frios e úmidos que tanto gosta. Ali temos um tinto de médio corpo, sedoso com acidez, fruta e taninos perfeitamente equilibrados, típicos do Estilo Tinto Sedoso. Se de climas mais quentes teremos uma Merlot mais encorpada, alcoólica e frutada, bem diferente do estilo acima.

Aqui no sul do Brasil temos a Merlot da Serra Gaúcha e Catarinense. Menos encorpados, ácidos e com taninos mais rascantes. Já a Merlot da Campanha gaúcha, de climas mais quentes, mais fruta, mais álcool e taninos mais domados.

E nos brancos?

Aqui creio que esta influencia é muito mais explícita. Primeiro o equilíbrio clássico da harmonia dos brancos. Acidez de um lado da gangorra e açúcar do outro lado, veja aqui.

Quanto mais ameno o clima menos açúcar natural terá a uva, portanto, vinhos mais leves e refrescantes (acidez). Aromas discretos e cítricos, lima-limão o mais expressivo. Quanto mais quente for o clima mais açúcar terá a uva, mais álcool e corpo terá o vinho. Aromas mais frutados, iniciando com frutas de polpa branca como maçã-verde e pera, passando por manga e chegando no abacaxi. Um exemplo típico é a Chardonnay.

Vejam a ilustração.

CHARDONNAY E CLIMA

Um exemplo clássico desta comparação será a própria Chardonnay em seu berço nativo, a Borgonha, França. Quando de vinhedos mais ao sul, Cote D’Or ela serpa de climas mais quentes. Quando de Chablis, mais ao norte será de climas mais frios. Façam a experiência. Comprem um Chardonnay da Cote D’Or e outro de Chablis e sintam na boca.

Outra opção de comparação é um Chardonnay de Casablanca, Chile e um do Colchagua. Casablanca mais frio e perto do Pacífico. Colchagua mais quente. Um mais cítrico e ácido outro mais frutado e aromático.

Nova comparação interessante é a Sauvignon Blanc. Aliás, uma das características desta uva é sua perfeita adaptabilidade aos diferentes terroir, porém, levando ao vinhos os aspectos desta adaptabilidade. Vejam a ilustração.

SAUVIGNON BLANC CHARACTERISTICS

Uma experiência única é a comparação de dois Sauvignon Blanc. Um chileno, Casablanca, por exemplo, clima frio e outro Nova Zelândia Cloud Bay em Marborough climas mais quentes. 

O primeiro do Chile, clima ameno aromas cítricos. O segundo mais quente o clima aromas de maracujá. Parecem vinhos elaborados com duas uvas diferentes. Inclusive a influencia é tão grande que os Sauvignon Blanc de regiões mais amenas eu considero um Branco Refrescante. Já os de climas mais quentes Brancos Frutados.

 Então, muito cuidado com os efeitos do clima no terroir. As vezes até mesmo de uma mesma região como vimos na Borgonha, entre a Cote D’Or e Chablis.

Estas comparações são essenciais para o crescimento pessoal do amante do vinho. Quem bebe o mesmo vinho segue o mesmo caminho e chegará sempre no mesmo lugar. Não tenha medo arrisque e experimente.

Summertime em dois estilos absolutamente diferentes. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s