ONDE ESTÃO OS BELOS ESPUMANTES DE PORTUGAL?


PORTUGAL ARAMAR

Rica é a história de Portugal, forte foi a influência romana na região norte do país sempre tendo o rio Douro como linha mestra. A simpática praça em Armamar se multiplica nas pequenas vilas da região.

Sei que há espumantes/sparkling espalhados por todo o país, mas certamente a região do vale do Távora-Varosa é  a mais adequada para o espumante. Situada em região montanhosa com vinhedos plantados numa altura média de 600 metros, norte de Portugal muito perto do Douro.

O vale do Varosa fica em há 120 quilômetros da cidade do Porto e a menos de 20 quilômetros de Peso da Régua, um dos epicentros do Douro vinhateiro. O clima é o ideal para a produção de espumante. O frescor noturno, garantido pela altura em que estão os vinhedo,  principalmente no verão e ao final da maturação das uvas garante um vinho base com acidez elevada, ideal para o espumante.

Interessante lembrar que os romanos foram os primeiros que levaram as vinhas para este local, mas foram os Monges Cistercienses, eles de novo, nossos queridos enólogos da Idade Média que iniciaram a produção de espumantes.

Lembrem-se que Don Pérignon, tido como o inventor do método da segunda fermentação na garrafa era desta Ordem religiosa.

Pois bem o primeiro mosteiro Ciscterciense em Portugal está localizado em Tarouca, nesta região do vale de Távora-Varosa, portanto não é muito difícil de imaginar que desde lá se produzia vinho espumante/sparkling .

Modernamente os espumantes de Portugal aqui produzidos e aí incluo os que me chegaram as mãos, no Brasil, como Murganheira (desde sempre pioneira na produção de sparkling), Quinta do Ortigão, Felipa Pato, os dois últimos na vizinha Bairrada, são muito bons.

As castas utilizadas são em geral as nativas Malvasia Fina, Cercial,  Arinto, Bical, Alvarinho e algo de Chardonnay. Os espumantes são produzidos pelo método tradicional, segunda fermentação na garrafa e são aromáticos, secos e com uma carga cítrica bem acentuada o que os torna muito agradáveis no verão com acompanhamento de frutos do mar, peixes e saladas.

Não posso esquecer que no Minho se produz um espumante de excepção, também, feito com a casta Alvarinho ou Avesso. Só lamento que no Brasil são raros estes espumantes. O que nos chega é muito bom mas é pouco.

Lembro até hoje do Bairradino espumante 3B da Felipa Pato, de cor salmão, aromático, seco e muito agradável na boca.

Portanto, não hesite se estiver a frente de um espumante português, compre-o sem nenhum receio.

Quem sabe um dia não estarei apreciando um sparkling da região nesta agradável praça em Armamar?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s